Partner im RedaktionsNetzwerk Deutschland
AccueilPodcasts
VIDA EM FRANÇA

VIDA EM FRANÇA

Podcast VIDA EM FRANÇA
Podcast VIDA EM FRANÇA

VIDA EM FRANÇA

ajouter

Épisodes disponibles

5 sur 24
  • “Entrelinhas” da criação teatral em cena em Paris
    Até 17 de Dezembro, o actor português Tónan Quito sobe ao palco da sala Christian-Bérard do Théâtre de l’Athénée, em Paris, com a peça “Entrelinhas”, de Tiago Rodrigues. Sozinho em palco e com a cumplicidade do público, Tónan Quito põe a nu, numa aparente simplicidade, a essência da criação teatral. Uma matriosca de histórias que parte de uma “grande amizade” entre um actor e um autor e que mostra que errar talvez seja a melhor das histórias. Oiça aqui a entrevista a Tónan Quito. RFI: “Logo no início da peça, o Tónan Quito dirige-se ao público e pergunta, em francês ‘Quando é que a gente perdeu as palavras? Quando é as palavras se tornaram tão difíceis para nós ou quando é que se tornaram tão fáceis que deixaram de ser nossas?’ Esta peça é afinal uma homenagem à palavra e ao texto. Durante hora e meia, está num palco quase vazio que enche apenas com a sua presença e com a palavra. É isto a essência do teatro?” Tónan Quito, Actor: “A essência do teatro é haver uma pessoa que comunica com outras. O teatro é feito destes dois espaços, o espaço do público e o espaço do actor ou dos actores que supostamente deveria funcionar como uma grande assembleia, como se fosse só um espaço e, lá está, com duas dimensões que se encontram no mesmo espaço. Foi assim, com esta simples ideia, quer dizer com outras ideias, que eu e o Tiago nos fomos atirando para este falhanço que foi construir este espectáculo.” “Ou suposto falhanço… Inicialmente, era suposto a peça ser um monólogo em torno de Édipo Rei, de Sófocles, mas vai bem mais longe. Consegue dizer-nos em poucas linhas do que fala ‘Entrelinhas’?” “O ‘Entrelinhas’ é uma peça de uma grande amizade entre um autor e um actor que juntos tentam construir um espectáculo que não é possível acontecer, que falhou. Há muitas coisas dentro da peça, mas aquilo que realmente faz a peça é este encontro de duas pessoas que têm dois ‘métiers’ diferentes, que querem construir um espectáculo e aquilo que acaba por ser revelado é esta ligação muito forte entre estas duas pessoas que vai originar uma criação, um objecto artístico.” “A história começa com um projecto de peça entre o Tónan e o encenador, Tiago Rodrigues, que se atrasa a entregar o texto e, a dada altura, fica com problemas de visão que o impedem de terminar o texto. Depois, tudo fica nas mãos do actor, Tonan Quito, que vai ter de criar a peça...” “É! É um clássico do Tiago, não é? Estou a brincar! Quer dizer, ele atrasa-se a entregar os textos, mas depois a coisa acaba a correr bem [Risos].” “Falámos há quase meio ano em Lisboa, quando encenou uma peça de Molière, nos 400 anos do dramaturgo francês. Molière tem outra peça, “O Impromptu de Versalhes”, sobre a criação de uma obra que nunca fica terminada. Este espectáculo também fala sobre a impossibilidade de se terminar uma peça, mas é uma peça em si. Este espectáculo é o próprio processo de criação dramatúrgica e teatral a ser encenado?” “Sim, foi uma coisa que descobrimos ao início, sobre o que é que seria a peça. Havia esta ideia, que o Tiago já tinha, de uma carta escrita nas entrelinhas do Édipo e depois todo o processo de encenação e de escrita do texto - porque com o texto começou a surgir logo a encenação do que é que seria o espectáculo. Mas interessava-nos muito colocar em cena o erro que é criar, a impossibilidade que é construir um espectáculo e expor isso. Nós criámos o espectáculo em 2013, já lá vai algum tempo e às vezes a memória também cria, portanto, já nem sabemos bem o que é que foi verdade e o que é que foi mentira neste processo. Mas a ideia, se calhar, nem passava por um espectáculo, passava só por uma espécie de conversa com o público sobre o processo de criação e como é que podemos expor o erro que é uma coisa que nas criações tentamos sempre esconder para estar tudo perfeito ali para apresentar ao público. Como é que podíamos mostrar as imperfeições e como é que nos podemos permitir errar - que é uma coisa que é comum aos dois na nossa maneira de trabalhar. O ‘Entrelinhas’ acabou por surgir dessa necessidade nossa de falar sobre como é que nós trabalhamos, como é que nos relacionamos, o que é que nos inquieta na criação dos espectáculos e, sobretudo, esta possibilidade de nos atirarmos mesmo para o erro e falar sobre isso.” “Nesta peça, em que tempos, espaços, textos se confundem, questiona-se o próprio acto de criação. Quem cria é apenas quem escreve? Mas o criador é também o actor. Tanto é que a dada altura, não se sabe quem é o autor da peça: se o dramaturgo/encenador que fica cego e não pode escrever, se o actor obrigado a continuar a peça. O objectivo é também questionar a própria autoria de uma peça de teatro?” “Eu acho que essa não foi tanto uma preocupação, ou seja, se calhar a preocupação é realmente o esbater dessas fronteiras.” “Dinamitar as fronteiras?” “Exactamente, porque aquilo que nós queremos fazer, e que fizemos, era uma co-criação. O Tiago tem esta característica dele: ele escreve para os actores. Já tinha trabalhado com ele, antes de criarmos esta peça, e ele escolhe as pessoas com quem quer trabalhar e depois escreve para elas. Ele não está em casa a escrever e depois ‘toma, toma, toma tu fazes isto, tu fazes aquilo’. Não. Ele traz o texto, vê-nos a trabalhar e nós vamos discutindo as ideias que vêm no texto. Esta, tratando-se da nossa relação e quando surgiu a ideia de fazermos esta peça juntos, só teria interesse se nós falássemos de nós: como é que eu e o Tiago trabalhamos juntos. Claro que depois ficcionámos uma quantidade de coisas, mas aquilo que interessa ao Tiago trabalhar e a mim ao trabalhar com ele também é este diálogo em que o texto chega, pensamos, mastigamos, está bom, não está bom, podemos ir para aqui, podemos ir para acolá, o Tiago vai para casa escrever, depois cancela os ensaios porque precisa ainda de mais tempo para escrever e depois telefona à noite a dizer ‘Já sei o que é que vou fazer’. No outro dia encontramo-nos e continuamos sempre assim. E aqui é que as coisas se tornam indefinidas. Para mim, é muito claro que é o Tiago quem escreve e eu não escrevo. Eu trabalho assim em criação e com o Tiago também. É uma mútua provocação. Depois, o que é que cada um faz, isso não interessa tanto.” “Na peça avisa que este é o seu primeiro monólogo, que nunca quis fazer um monólogo porque para si o teatro é estar em palco com outros. Diz que o Tiago Rodrigues o convenceu com a frase ‘Vai ser uma descoberta para ti’, mas admite que a descoberta é apenas pessoal porque somos simplesmente ‘exploradores que mais parecem turistas a pisar terrenos que outros já descobriram’… Como tem sido esta descoberta e porque é que ‘o medo e a dúvida nos fazem sentir que vale a pena’?” “Para nós, para mim e para o Tiago, sim, a gente gosta sempre de se colocar em situações desconfortáveis e das quais não vamos saber sair. Eu próprio também nos meus trabalhos procuro isso, mas sempre que trabalhei com o Tiago era muito evidente colocarmo-nos em situações de desconforto. Aqui, a gente sabia que íamos fazer um monólogo. Para mim, realmente dá-me muito medo porque não há jogo, portanto, o jogo é sempre comigo e com o público, não há defesas, não havia uma personagem a que me agarrar, não havia nada. Mas tem sido mais surpreendente e mais prazeroso do que eu pensava. Mas, pronto, medo tenho sempre.” “O medo alimenta?” “O medo alimenta e, sobretudo, o que é incrível é sempre este diálogo constante que temos com o público, como é que à medida que o espectáculo vai avançando - e, neste caso, estou a falar numa língua que não é minha, é o francês - há aqui uma grande necessidade também minha de sobreviver e de conseguir comunicar a história com o público. Eu tenho que estar sempre a alimentar-me do público e precisar dele para construir o próprio espectáculo. Às vezes falho, outras vezes acerto, outras vezes faço parvoíces. Há sempre aqui um lado que não é controlável dentro deste espetáculo, apesar de eu saber o texto, apesar de saber mais ou menos o que é que vou fazer, mas há sempre aquelas pessoas que naquele dia estão lá que são sempre diferentes das do dia anterior.” “Além de um jogo de actor já louvado pela crítica francesa, fala em francês durante a peça, a não ser quando lê excertos do livro… Porque esta opção e de onde vem esse francês tão bem falado?” “Bem falado mais ou menos [risos]! Acho que foi em 2014 quando fomos convidados para ir a um festival, que é o Terre de Paroles, na Normandia, e o Tiago já tinha uma coisa que era fazer, em peças mais simples, uma versão na língua para onde a gente vai, francês ou inglês, que são as línguas que nós estudamos em Portugal e poderemos saber melhor para comunicar e para o espectáculo poder circular mais e poder ir a mais sítios. E foi assim que surgiu a questão de fazer em francês. Em Portugal temos até ao nono ano de francês. Eu ainda eu estive na Alliance Française também três anos e depois foi a Cristina Vidal, que era ponto no teatro Nacional que me ajudou....” “A personagem principal de ‘Sopro’...” “Do ‘Sopro’, exactamente. Tenho que estar eternamente grato à Cristina Vidal porque realmente foi ela quem me pôs a fazer o espectáculo em francês.” “Uma das principais histórias das tantas histórias que estão em palco gira em torno de uma carta de um prisioneiro à mãe, escrita entre as linhas de um volume de Édipo Rei a partir de uma cela de prisão. Como nasceu esta ideia? E também a ideia de que o livro não é apenas a história que conta mas também a história pessoal de todos os que o lêem?” “Pois, isso é uma pergunta complicada. A ideia da carta do prisioneiro nas entrelinhas do Édipo já existia. O Tiago já tinha escrito essa pequenina história que foi a partir daí que nós começámos a trabalhar. Eram três, quatro páginas, não sei, que ele tinha escrito para um encontro de novas dramaturgias em Lisboa. Portanto, acho que interessava ao Tiago essa fricção daquela história do Édipo, que é uma história fundadora da nossa cultura ocidental e que é um marco do teatro, e depois essa história pessoal de um prisioneiro que, por coincidência, matou o pai e que está a escrever a carta à mãe. Depois, a partir daí, como é que isso se reflecte na história pessoal de cada um, eu acho que foi o que ficou por descobrir, que foi o que nós criámos à volta, a partir de coisas autobiográficas - que é uma coisa que é comum nos trabalhos do Tiago que é  partir sempre de histórias verdadeiras – tentar partir da nossa história pessoal e que isso possa vibrar nas outras pessoas. E quantas histórias é que nós não escrevemos nas entrelinhas da nossa própria história, não é? Acho que a ideia veio um bocado daí, das várias camadas:  como é que poderíamos complicar ainda mais.” “E criar uma nova camada em palco junto do público e ter todas as noites uma história, se calhar, diferente. Justamente, estamos a falar de um clássico, Édipo Rei. O Tónan também diz na peça que acha completamente estúpido perguntarmo-nos se um texto antigo ainda faz sentido hoje em dia, se é oportuno ou pertinente porque, na verdade, no caso dos grandes clássicos, dos grandes textos como Édipo deveria funcionar no sentido inverso. Ou seja, ‘somos nós que nos devemos questionar se a nossa época faz sentido à luz destes textos’. Porquê levantar esta questão tão política e tão actual?” “Eu lembro-me desse dia. Estávamos nas nossas manhãs de ensaios, sentados à mesa a falar sobre tudo e mais alguma coisa.” “São tertúlias filosóficas, imagino...” Sim, era basicamente isso, e falar de coisas da vida que não tinham nada a ver com o teatro. Eu enceno clássicos sobretudo e gosto muito de ler romances e o Tiago também gosta e falámos do que é que gostávamos e não gostávamos. Houve um dia que realmente começámos a pensar nisso. Fazemos peças com 300 ou 400 anos e as questões de hoje em dia acabam por ser mais ou menos as mesmas: o amor, o poder, a ambição, os conflitos, a violência. Começamos a pensar: o que é que a gente aprendeu há 400 anos quando lemos Shakespeare, por exemplo, e agora olhamos para o nosso mundo no estado das coisas e, quando lemos essas peças, há sempre aquela tendência de dizer ‘é muito actual esta peça ainda’. Claro que é actual, está publicado, está nas livrarias, portanto existe hoje. E o Tiago saiu-se com essa um dia: ‘Não devíamos estar a pegar neste texto e ver o nosso mundo através disto’. E é uma coisa que ainda nos continua a fazer sentido e é uma coisa que eu tenho sempre na minha cabeça sempre que estou a ler um texto só por ler ou a pensar qual é o sentido de o encenar hoje em dia. E, às vezes, parece que a realidade é toda uma grande encenação a partir ainda destes grandes textos.” “A história de ‘Entrelinhas’ é uma história que deveria acontecer mas não aconteceu - enfim, aconteceu muito mais do que isso. Você pergunta ao público se ‘uma coisa que não aconteceu pertence ao passado da mesma forma que uma coisa que aconteceu’? Ou se ‘fica eternamente no futuro, condenada a nunca pertencer ao passado’? Ou seja, a tal peça - que não aconteceu no passado nem no futuro - gera a peça que acontece no presente. Então, a encenação é a invenção do real?”  “Pois, é isso tudo e aquilo que ainda está por descobrir porque o suposto monólogo sobre o Édipo que o Tiago deveria ter escrito para mim não aconteceu. Mas por que é que isso não há-de pertencer ao passado? Por que é que esse espectáculo não terá acontecido? A peça torna-se muito ‘borgiana’, de uma grande ficção que se torna realidade e que passa para outras coisas e é esta nossa prisão de ‘Ok, não aconteceu, então não aconteceu, mas por que é que não aconteceu? Só por não ter acontecido?’ Claro que é uma questão filosófica...” “Mas está a acontecer porque estamos a vê-la...” “Mas está a acontecer, estamos a vê-la e estamos a construir e estamos a falar sobre ela. Eu acho que essa pergunta, no final do espectáculo, abre muitas possibilidades. O espectáculo no final já é tudo, já é uma matriosca, e eu acho que essa pergunta no final é só mais uma explosão que atira as coisas um bocado para o universo e depois quem quiser que apanhe as partículas...” “Uma matriosca porque é um texto dentro de um texto dentro de um texto, nas entrelinhas… Porquê este jogo de levar o espectador para um labirinto? Para mostrar que somos ‘os exploradores de terras já descobertas?’ ou ainda há coisas a descobrir?” “Claro que há coisas a descobrir. Acho que em cada um de nós há muita coisa a descobrir e enquanto nos conseguirmos espantar uns com os outros, como seres humanos que somos, há muito para descobrir dentro das coisas que nos atormentam ou que nos fascinam. E como acho que ainda está tudo por fazer, em diversas áreas, enquanto houver esta nossa curiosidade e a nossa vontade de avançar, há muita coisa por descobrir.”
    12/7/2022
    16:59
  • Portugueses vão servir "bifana gigante" e solidária em Paris
    Em França, nos próximos dias 2 e 3 de Dezembro decorre mais uma edição do Téléthon, uma conhecida campanha de angariação de fundos que reverte para a investigação de doenças auto-imunes raras. A associação Les Hirond'Ailes, presidida pela portuguesa Suzette Fernandes, volta a associar-se à iniciativa através de um desafio original: cozinhar "uma bifana gigante" na região de Paris e tentar entrar no livro de recordes do Guinness. Oiça a entrevista nesta edição de Vida em França.
    11/30/2022
    9:11
  • "Limbo", uma performance sobre colonização, assimilação e identidade
    Victor de Oliveira, ator e encenador de origem Moçambicana volta aos palcos com a sua peça "Limbo". Um projeto que mistura autobiografia, história e memória coletiva. Em "Limbo", navega-se pela questão da colonização, das origens e do exílio. Victor de Oliveira nasceu em Moçambique em 1971 durante o período colonial, de pais e avós moçambicanos, portugueses, indianos, chineses. Toda uma complexidade identitária que o encenador confessa ter sido difícil de assumir e de viver durante longos anos, e que é hoje a essência do seu projeto teatral. Branco em Moçambique e mulato em Portugal, Victor de Oliveira situa-se num limbo onde a construção de uma só identidade é sempre uma viagem.  "Nasci em Moçambique em 1971, ainda durante o período colonial. Os meus pais nasceram também em Moçambique e são mulatos como eu, e os meus avós são portugueses, moçambicanos, indianos, chineses. é toda uma mistura que tem muito a ver com a colonização portuguesa. Toda essa relação entre os mestiços durante, antes e depois da independência, foi algo com o qual eu cresci. Cresci com isso como algo que era extremamente complicado de viver e que era para mim, de uma certa maneira, uma tragédia, um drama", explica o encenador.  As identidades de Victor de Oliveira são múltiplas. "A partir daí comecei a pensar em algo que é uma questão mais ampla do que apenas a história da minha família e que tem a ver com a história da colonização, com a história da assimilição e do lugar dos mestiços durante o período colonial e a pós-independência em Moçambique".  O ator questiona, da mesma maneira, o lugar dos afrodescendentes no Portugal de hoje, através de uma performance a solo, apoiando-se em datas e histórias tão pessoais como universais.
    11/25/2022
    8:53
  • Migrantes recebidos em França estão em "zona de espera"
    Nos últimos dias, centenas de migrantes viveram momentos de indefinição a bordo de quatro navios humanitários ao largo da costa italiana. Um deles, o Ocean Viking, da ONG SOS Méditerranée, acabou por ser acolhido a título excecional por França, algo que não acontecia há oito anos. Paris decidiu adoptar esta postura após Roma ter recusado terra firme a 234 pessoas. Em entrevista à RFI, Pedro Vianna, antigo responsável pela revista francesa Migrations et Société falou sobre a questão migratória e denunciou as condições em que se encontram os migrantes que foram recebidos em Giens, no sul de França. "É uma tentativa de diversão dizer 'A França acolheu' porque é necessário ver como é que essas pessoas foram acolhidas. As associações já estão a denunciar a maneira como elas estão a ser tratadas", começou por referir. "Saiu um comunicado de uma organização, que cataloga as violações. As pessoas são fechadas, têm de levar braceletes com números de identificação, parece que não há telefones para poderem comunicar e não podem entrar em contacto com advogados. O lugar onde foram acolhidos foi declarada 'zona de espera'", logo "não estão oficialmente no território francês", e como tal "não têm liberdade de movimento", salientou Pedro Vianna. O nosso entrevistado disse ainda que existem pessoas que querem pedir asilo e que esse direito não está a ser respeitado. "Uma vez mais o interesse das pessoas desaparecese diante dos interesses dos estados", complementou. O ministro do Interior de França, Gérald Darmanin, anunciou, entretanto, que 44 dos 234 migrantes iriam ser deportados, após os pedidos de asilo terem sido recusados. "[Estas pessoas] serão deportadas assim que o seu estado de saúde o permita", disse o governante, que salientou ainda que os outros casos individuais estão a ser analisados. Os migrantes do 'Ocean Viking' são na sua maioria oriundos de países como o Bangladesh, a Eritreia, a Síria, o Egipto, Paquistão ou Sudão. Existem 57 crianças no grupo.
    11/17/2022
    9:32
  • Eleição de Bardella mostra poder "quase absoluto" de Marine Le Pen
    Jordan Bardella foi eleito presidente do partido de extrema-direita União Nacional. Para Rafael Lucas, professor catedrático jubilado pela Universidade de Bordéus, a eleição de Bardella "ilustra o grau de implantação de Marine Le Pen na União Nacional, que tem um poder quase absoluto." Além disso, também pode ser visto como uma “recompensa” a Marine Le Pen, por ter aumentado o número de deputados nas legislativas. Jordan Bardella foi eleito, no fim-de-semana passado, presidente do partido de extrema-direita União Nacional. Em 50 anos, Bardella é o primeiro líder da Frente Nacional que não é da família Le Pen, todavia é namorado de uma sobrinha de Marine Le Pen. Jordan Bardella, eurodeputado de 27 anos, é oriundo de Seine-Saint-Denis, na região parisiense, e era há vários anos o número dois de Marine Le Pen. Assumiu a liderança do partido de forma interina quando Marine Le Pen fez campanha nas eleições presidenciais deste ano. Bardella nasceu em 1995 e é descendente de uma família italiana que emigrou para França nos anos 60. Tido como o protegido de Marine Le Pen, Bardella desde cedo demonstrou interesse pela política. Para Rafael Lucas, professor catedrático jubilado pela Universidade de Bordéus, a eleição de Jordan Bardella para a chefia da União Nacional não deverá ditar uma nova radicalização do partido: “Acho que sobretudo será uma continuação da linha directiva de Marine Le Pen, porque ela quer afastar-se da linha de Eric Zemmour, que aliás teve um fracasso estrondoso nas eleições legislativas na medida que não obteve a eleição de nenhum deputado”. Portanto, Bardella deve "manter a linha de respeitabilidade e moderação” do partido, acrescenta. Jordan Bardella venceu a presidência do partido ao arrecadar 85% dos votos, contra 15% da votação para o autarca de Perpignan, Louis Aliot. Este resultado esmagador de Bardella ilustra, nas palavras de Rafael Lucas, “o grau de implantação de Marine Le Pen na União Nacional. Ela tem um poder quase absoluto. Além disso, também ilustra a fidelidade dos membros” do partido. Uma vitória expressiva que pode ser igualmente vista como uma “recompensa” por parte dos membros da União Nacional a Marine Le Pen, pelo facto de ter conseguido aumentar o número de deputados eleitos nas legislativas, passando de 8 para 89 assentos parlamentares, “é a progressão mais espetacular da vida política francesa”.
    11/10/2022
    8:36

Radios similaires

À propos de VIDA EM FRANÇA

Site web de la radio

Écoutez VIDA EM FRANÇA, France Inter ou d'autres radios du monde entier - avec l'app de radio.fr

VIDA EM FRANÇA

VIDA EM FRANÇA

Téléchargez gratuitement et écoutez facilement la radio et les podcasts.

Google Play StoreApp Store

VIDA EM FRANÇA: Radios du groupe